Dicas de Saúde

Cafeína é saudável e deve ser incluída na dieta, aponta estudo

Boa notícia para os amantes do cafezinho: ao contrário do que se imaginava, o consumo de cafeína não causa alterações nos batimentos cardíacos ou doenças relacionadas ao sistema cardiovascular. É o que aponta um estudo da Universidade de São Francisco, Califórnia (USCF-EUA).

Então a cafeína faz bem?

O próprio Ministério da Saúde Americano apontou a importância desse nutriente e destacou que adultos saudáveis podem, e devem incluir cafeína na sua dieta sem aumentar os riscos de doenças crônicas como câncer ou doenças do coração. Porém, é importante ressaltar que seu consumo recomendado é de 400mg/dia (equivalente a 3 xícaras de café ou 5 latas de energético, por exemplo) e sempre observando a dieta como um todo, evitando exageros como açúcares, cremes e outras gorduras como “aditivos”.

O principal benefício da cafeína é seu efeito estimulante sob o Sistema Nervoso Central, e essa é uma das evidências pelas quais julgava-se que o café e outros alimentos com cafeína poderiam ser nocivos ao coração. Na verdade, a sua ação sob o cérebro aumenta o estado de alerta do indivíduo, levando-o a ficar mais ativo, aumentando a circulação sanguínea e elevando a taxa dos batimentos cardíacos. O hábito de tomar um cafezinho para despertar faz todo sentido exatamente por isso, a cafeína tem sobretudo um efeito energético no organismo. Por essa razão praticantes de atividades físicas são os que mais podem se beneficiar das propriedades desse nutriente.

O efeito energético dessa substância aumenta a disposição para os treinos, a resistência e ainda potencializa a queima de gordura, levando a um maior rendimento e promovendo resultados mais rápidos. Não é à toa que o café tem sido explorado exaustivamente como potente termogênico, e levando muitas pessoas a questionarem a segurança do seu consumo como suplemento.

O café faz bem ou mal para a saúde?

O café proporciona benefícios ao bebermos de 3 a 4 xícaras por dia

Quando se afirma que o café é a bebida mais popular em território verde-amarelo, acredite, não é mera força de expressão. Na Pesquisa de Orçamentos Familiares divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), foi constatado que o brasileiro toma de 4 a 5 xícaras todos os dias, o que leva o líquido à base do fruto do cafeeiro a liderar a lista que avalia a média de consumo per capita de vários alimentos. Só para ter uma ideia, o feijão e o arroz, outros itens comuns à nossa mesa, ficaram em segundo e terceiro lugar, respectivamente. No resto do mundo, o consumo também surpreende. Enquanto aqui cada pessoa ingere cerca de 6 quilos do grão por ano, em países nórdicos, como Finlândia, Noruega e Dinamarca, esse número chega aos 13 quilos anuais.

Aqueles que cultivam esse hábito mandam para dentro do organismo uma série de substâncias. Entre elas sobressai a cafeína, célebre por sua ação estimulante. Mas o que aparece em maior quantidade no pequeno grão são os ácidos clorogênicos, compostos antioxidantes. A xícara ainda concentra vitamina B3 e minerais como potássio, manganês e ferro. Tal combinação vem à tona constantemente nos laboratórios de cientistas planeta afora. No universo das pipetas e buretas, ela não é uma unanimidade. "Porém, a maioria dos estudos confirma seus benefícios", diz Adriana Farah, cientista do Núcleo de Pesquisa em Café Professor Luiz Carlos Trugo, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Fonte: http://mdemulher.abril.com.br/saude/saude/o-cafe-faz-bem-ou-mal-para-a-saude

Beber café pode proteger seu DNA

Boa notícia para os fanáticos por café, alguns dos benefícios são a promoção de um coração saudável, a proteção contra diabetes do tipo 2 e a doença de Parkinson, redução do risco de câncer de pele, entre outros.

O café é associado com uma variedade de benefícios para a saúde. Alguns dos benefícios são a promoção de um coração saudável, a proteção contra diabetes do tipo 2 e a doença de Parkinson, redução do risco de câncer de pele, entre outros. Agora pode ser que mais um item seja adicionado a essa lista. Cientistas descobriram que beber café regularmente pode contribuir para a integridade do nosso DNA.

Durante a pesquisa, os cientistas descobriram que aqueles que consomem o café, que é rico em compostos ativos, tiveram menos quebras no DNA de leucócitos do sangue, quando comparado ao grupo controle. Uma pesquisa anterior mostrava que consumo de café era associado a redução de danos nesse mesmo tipo de células sanguíneas, chamado de dano oxidativo. O novo estudo vem reforçar essa ideia, apesar de ter sido pequeno e feito somente com homens.

Os benefícios causados pelo café acontecem devido à grande quantidade de compostos bioativos em sua composição. Quando processado, como por exemplo na fase de torra, o café ganha ainda mais desses compostos. São essas substâncias que colaboram na boa reputação do café, pois são conhecidas por serem antioxidantes e com propriedades ant-inflamatórias. O ácido cafeoilquínico, que é uma delas, aumenta os níveis de enzimas nas células e também degrada moléculas nocivas.

Essas moléculas nocivas que são altamente reativas, são produzidas naturalmente pelo nosso organismo, e quando não são degradadas com eficiência podem causar problemas. Elas induzem a quebra de DNA e podem danificar proteínas celulares. Quando o dano causado por elas é extenso, pode surgir mutações que acabarão gerando um câncer. Sendo assim, o ácido cafeoilquínico presente no café pode colaborar com a diminuição das quebras de DNA, evitando diversos problemas.

O estudo foi feito com 84 homens saudáveis, sendo que metade ingeria 750 ml de café por dia durante 4 semanas, enquanto a outra metade ingeria a mesma quantidade de água. Todos foram orientados a manter seus hábitos alimentares e o tinham uma quantidade de sangue recolhido em intervalos regulares, 2 horas após a ingestão de água ou café.

No início do estudo os dois grupos apresentaram resultados semelhantes, mas durante as 4 semanas as quebras no DNA aumentaram no grupo que tomava água, enquanto no grupo que tomava café elas diminuíram.

O resultado final mostrou uma diferença de 27% de quebras no DNA para menos no grupo que tomava café. Isso não significa que só tomar café vai te manter saudável, mas pode mostrar que ingerindo essa bebida você pode evitar ou retardar doenças associadas a esse tipo de problema.


Fonte: https://academiadocafe.com.br/noticias/24210/beber-cafe-pode-proteger-seu-dna-

A importância da cafeína como um nutriente que deve fazer parte da dieta

A cafeína é uma substância que está presente em vários alimentos como o café, o chá, o chocolate, refrigerantes e muitos outros. Apesar disso, ela foi estigmatizada durante algum tempo, chegando até a ser controlada pela agência Antidoping (WADA) num certo período, tendo sido liberada posteriormente sem restrições ao seu consumo. Como é uma substância com efeito estimulante, o consumo diário deve ser moderado. Entretanto, ao contrário de ser vista como um perigo, pode e deve ser considerada um componente importante da dieta.

O “perigo” que se costuma atribuir à cafeína deve-se principalmente ao erro conceitual de confundi-la com substâncias realmente perigosas para a saúde, como a efedrina. É muito comum atribuir o termo “termogênico” genericamente, tanto para a cafeína como para a efedrina. A cafeína é uma substância nutricional, enquanto a efedrina é um fármaco, cuja comercialização é proibida pela ANVISA. A efedrina sim é um perigo para a saúde, e os episódios que ocorrem muitas vezes com resultados trágicos, devem ser atribuídos ao consumo deste fármaco e não à cafeína.

A importância da cafeína como um nutriente que deve fazer parte da dieta foi recentemente enfatizada pelo Ministério da Saúde americano. O recém publicado “Dietary Guidelines” 2015-2020 orienta a população a respeito de como conduzir uma dieta adequada e enfatiza que o consumo diário de 400 mg de cafeína pode ser incorporado como parte de uma dieta saudável.

O consumo moderado segue a recomendação de bom senso, devendo ser evitado por quem apresente problemas cardíacos, assim como a glicose deve ser controlada para quem é diabético, as gorduras por quem tem colesterol elevado, etc.

Para o indivíduo saudável a cafeína tem benefícios, particularmente para quem pratica exercícios físicos, pois ela potencializa a queima de gordura, melhora a tolerância aos exercícios prolongados e melhora a ”qualidade do treino” quando a disposição física não ajuda.


Fonte: http://globoesporte.globo.com/eu-atleta/saude/noticia/2016/02/importancia-da-cafeina-como-um-nutriente-que-deve-fazer-parte-da-dieta.html

O Café e a Longevidade

Antes do primeiro café da manhã sou um arremedo de mim mesmo.

Assim que acordo, sou capaz de executar tarefas mecânicas e de correr duas horas seguidas, mas qualquer esforço intelectual antes da xícara de café com leite é um fardo insuportável. Meu cérebro permanece em modo contemplativo até a cafeína cair na circulação.

No meio da manhã, já em plena atividade, sinto uma necessidade louca de repetir a dose; pouco mais tarde a vontade retorna, irresistível. Se não soubesse que a cafeína tem vida longa no organismo, a ponto de o cafezinho das cinco da tarde interferir com o sono da noite, seria daqueles que só vai para a cama depois de tomar o último.

Por culpa desse efeito estimulante, tomar café não faz parte do assim chamado estilo de vida saudável. Como a cafeína está ligada a aumentos do LDL (o “mau” colesterol) e a elevações transitórias da pressão arterial, sempre houve suspeita de que pudesse aumentar a incidência de doenças cardiovasculares, como os infartos e os derrames cerebrais.

Os resultados dos estudos já realizados, no entanto, foram heterogêneos e inconsistentes com essa hipótese. Pelo contrário, alguns mostraram existir relação inversa entre o consumo de café e o aparecimento de doenças inflamatórias, diabetes, derrames, infartos e ferimentos acidentais. Mas, até aqui, nenhum inquérito populacional havia conseguido relacionar os níveis de consumo diário com a mortalidade.

Para responder se quem toma café vive menos tempo, um grupo americano dos NIH (Institutos Nacionais de Saúde) acaba de publicar o estudo mais completo sobre o tema.

Por meio de um questionário, foram incluídos na pesquisa 229.119 homens e 173.141 mulheres saudáveis de ambos os sexos, com idades entre 50 e 71 anos. A avaliação inicial compreendia 124 itens relacionados com o estilo de vida e a dieta: consumo de vegetais, frutas, gordura saturada, carne vermelha ou branca e o total de calorias ingeridas.

Dos participantes, 79% tomavam café de coador, 19% café instantâneo, 1% expresso e 1% não especificou o modo de preparo. De acordo com o número de xícaras tomadas diariamente, o grupo foi dividido em 10 categorias.

Comparados com os que não tomavam café, entre os consumidores havia mais fumantes, mais gente que tomava três drinques ou mais por dia e ingeria quantidades maiores de carne vermelha. Também tendiam a apresentar nível educacional mais baixo, a praticar menos exercícios extenuantes e a comer menos frutas, vegetais e carne branca. Por outro lado, havia menos casos de diabetes entre eles.

Durante os 14 anos de seguimento dessa população foram a óbito 33.731 homens e 18.784 mulheres.

De início, os dados pareciam mostrar que o consumo de café estaria associado ao aumento da mortalidade. Depois de eliminar fatores como cigarro (especialmente), sedentarismo e obesidade, entretanto, ficou claro haver uma relação inversa: quanto mais café menor o número de mortes.

Além de diminuir a mortalidade geral, tomar café reduziu a mortalidade por diabetes, doenças cardiorrespiratórias, derrames cerebrais, ferimentos, acidentes e infecções. As mortes por câncer não foram afetadas.

O efeito protetor foi diretamente proporcional ao número de xícaras ingeridas diariamente. A diminuição mais acentuada da mortalidade aconteceu no grupo de seis xícaras ou mais por dia: redução de 10% nos homens e de 15% nas mulheres.

Essa associação foi independente da preferência por café descafeinado ou não, sugerindo que a proteção não ocorre por conta da cafeína.

Caro leitor, você deve estar cansado de ler artigos pseudocientíficos que apregoam as vantagens de determinados alimentos. A internet está abarrotada de sites e de mensagens que se propagam feito vírus exaltando os benefícios do alho, do limão, da alface, do tomate orgânico, da berinjela, e por aí vai.

O estudo que acabei de apresentar foi aceito para publicação no The New England Journal of Medicine, a revista médica de maior circulação, porque é o mais completo já realizado sobre o assunto.

Na manhã em que recebi a revista, fazia frio. Quando terminei a leitura do artigo, tomei o segundo café. Uma hora mais tarde, enquanto escrevia a coluna, tomei o terceiro. No final, o quarto, só para comemorar.

Fonte: http://drauziovarella.com.br/drauzio/o-cafe-e-a-longevidade/

Um Hábito Útil para o Corpo e para Alma

Nos últimos dois séculos, poucas substâncias foram tão clinicamente estudadas como o café, sem nenhuma comprovação de que seja prejudicial à saúde. Muitos estudos demonstram o contrário, ou seja, os efeitos benéficos do café e de seu principal composto ativo, a cafeína.

Por volta do século XVI, os sábios sufistas do Iêmen bebiam café para se manterem acordados durante a oração. Quando, no início do século XVII, o café começa a ser difundido na Europa, é quase considerado um medicamento. A cafeína, descoberta em princípios do século IX na Alemanha pelo jovem médico Ferdinand Runge, num encontro com Johann Wolfgang Goethe, estimula o sistema nervoso central, mantém a atenção e o humor, ajuda na respiração e na digestão e atenua a sensação de fome, o que pode ajudarnas dietas.

Alguns estudos sugerem que uma xícara de café pode ajudar a acalmar os sintomas da enxaqueca. Estudos recentes demonstram que, se consumido em doses razoáveis, o café não afeta o sono nem prejudica o coração. Pode, ao contrário, ajudar na ação preventiva de algumas patologias gaves, como Alzheimer e Parkinson.

O café contém também substâncias antioxidantes, que contribuem para eliminar os radicais livres. Em suma, o café reúne sabor e saúde, em um único produto. A preparação do café espresso combina sabor acentuado com menor teor de cafeína. Entre os blends, os que são 100% Arabica têm um teor médio de cafeína em torno de 1,3%, ao passo que o café Robusta tem quase o dobro.

Fonte: http://www.illy.com/wps/wcm/connect/pt/coffee/beneficios-cafe

Café faz (ou não) bem à saúde?

O café só perde para a água. É a segunda bebida mais consumida no mundo. Dá o nome a uma das principais refeições, o “café da manhã”. Participa das reuniões de trabalho, das visitas sociais, das salas de espera, do intervalo das palestras... E muitas vezes é o motivo de um convite irrecusável para jogar conversa fora com amigos: “Vamos tomar um café?”

O que o café tem que o torna tão irresistível assim? O cheiro que é, na verdade, quase um perfume e o sabor delicioso, sem dúvida nenhuma. Mas tem mais. O café é composto por várias substâncias, entre as quais destacam-se alguns antioxidantes que têm a capacidade de liberar dopamina, que é um neurotransmissor responsável por uma gostosa sensação de bem-estar.

Além disso, o café possui a cafeína, responsável por um dos seus efeitos mais característicos. É uma substância que estimula o sistema nervoso central. Ocupa o lugar de alguns receptores que enviam uma mensagem dizendo que o corpo deve entrar em estado de alerta. Por isso, libera adrenalina que nos prepara para uma “luta”: o coração bate mais rápido, a respiração acelera, a pressão arterial sobe, o fluxo de sangue para os músculos aumenta e a pupila dilata.

Exatamente aí é que reside um dos alvos de controvérsias sobre café: afinal, ele seria mocinho ou poderia ser considerado uma espécie de “droga”, uma vez que a cafeína sabidamente provoca dependência física, causando, em algumas pessoas, cefaleia importante quando há abstinência. Além disso, aumenta a secreção ácida digestiva, propiciando o aparecimento de gastrite ou úlcera. Doses altas de cafeína podem acentuar um estado de nervosismo, agitação, tremores e insônia.

Por outro lado, e para fomentar a discussão, estudos recentes realizados em diferentes partes do mundo, como nos Estados Unidos, Finlândia e Coreia do Sul apontam que de 4 a 5 xícaras de café por dia são benéficas para a atividade cardiovascular, protegendo quem as consome. Estes estudos afirmam que quem toma café diariamente tem menor chance de doenças cardíacas.

O que fazer diante de controvérsias, afirmações e contra-afirmações que parecem não ter fim?

Usar o bom senso deve ser a melhor conduta. Para isso, conhecer-se é fundamental, e um dos grandes “remédios” para aplacar nossas queixas clínicas. Cada um é um, com sua própria saúde cardiovascular, estômago com maior ou menor secreção ácida e com um sistema nervoso com diferentes graus de sensibilidade à cafeína.

Entenda-se com você mesmo. Não ultrapasse seus limites de tolerância física. Isso significa, por exemplo, que se o café te dá insônia, evite tomá-lo após as 16 horas. Quem tem gastrite deve evitá-lo e quem precisa do café para melhorar a dor de cabeça deve saber que já está com um certo grau de dependência.

A controvérsia sobre o café pode não ter fim. Mas conhecer os efeitos do café em você mesmo pode te ajudar a dar fim a uma série de efeitos pouco confortáveis desta bebida que, feita na hora, quentinha e cheirosa, pode ser mesmo irresistível.

Fonte: http://g1.globo.com/bemestar/blog/doutora-ana-responde/post/cafe-faz-ou-nao-bem-saude.html

Revista SAÚDE - Você conhece os benefícios do café?

Veja nesta animação alguns benefícios do cafezinho nosso de todo dia. :)

Conheça os benefícios do café para a saúde

Para muita gente um café quente na parte da manhã é um dos prazeres do dia. Milhões de pessoas tomam café pelas mesmas razões, mas nem imaginam que a bebida também ajuda a aliviar as dores musculares, além de melhorar a memória e ajudar a prevenir o câncer de pele e de fígado.

Além de ter um gosto agradável, ele também dá um ânimo extra para o resto do dia e ajuda a manter a energia e tirar o sono para horas de trabalho, por exemplo. Veja por que o café é considerado uma injeção de ânimo, segundo o FitSugar .

- Ele é quente. Beber líquidos quentes, como café ou chá, especialmente na parte da manhã, é muitas vezes sugerido para aliviar a constipação.

- É um líquido. Embora o café seja apontado como líquido de desidratação, receber uma quantidade suficiente dele conta para o seu consumo de líquidos diários.

- A cafeína estimula os músculos responsáveis pela digestão. Os músculos ficam contraídos e fazem com que você queira ir ao banheiro. Ao mesmo tempo, o café é um diurético, ou seja, retira líquido das fezes, tornando-os mais difícil.

Fonte: http://saude.terra.com.br/bem-estar/conheca-os-beneficios-do-cafe-para-a-saude,25e83f04c2f27310VgnCLD100000bbcceb0aRCRD.html

Café tem nutrientes que dão energia ao organismo, diz nutricionista

O café possui nutrientes que dão energia ao organismo, segundo a nutricionista Karin Honorato. Na coluna desta segunda-feira (8), ela lista os benefícios do alimento.

De acordo com a especialista, o café é rico em nutrientes como fósforo, que dá mais energia ao corpo. “Também possui manganês e magnésio, responsáveis por várias enzimas nas células”, destaca.

A nutricionista conta ainda que a bebida possui vitaminas do complexo B, que fazem com que o sistema nervoso tenha mais equilíbrio. “[O café] tem vários tipos de ácidos orgânicos, com funções antioxidantes, que protegem o organismo contra várias doenças”, afirma.

Uma das principais funções da cafeína, conforme Karin Honorato, é inibir a adenosina, uma substância responsável pelo sono. “A cafeína estimula a adrenalina. E por isso a gente fica mais alerta, com mais foco, e até mais concentração”.

Segundo a nutricionista, a cafeína também tem benefícios para quem pratica exercícios. “Ela tem uma ação termogênica, melhorando a performance”, conta.

Fonte: http://g1.globo.com/minas-gerais/noticia/2015/06/cafe-tem-nutrientes-que-dao-energia-ao-organismo-diz-nutricionista.html

Benefícios do Café para a Saúde

Benefícios do café para Diabéticos: Café foi provado que podem fazer maravilhas para pacientes diabéticos. O café contém ácido clorogénico e a trigonelina alcalóide que auxilia na redução de glicose e insulina. É útil para pacientes diabéticos tipo 2. O café mostrou-se conter ácido caféico, que restringe a formação de recursos humanos polipeptídeo amilóide das ilhotas e fica montado como fibrilas amilóides no pâncreas de indivíduos com diabetes tipo II.

Benefícios do café na prevenção do câncer: O café tem propriedades anti-cancerígenas. Presença de ácido clorogênico, ácido caféico, fitoestrogênios ajuda a reduzir o risco de câncer de mama. Verificou-se que as pessoa que bebe diariamente café reduziu os riscos de câncer de esofágico, cancro da faringe e oral. Câncer de próstata e câncer de fígado também pode ser reduzida por sua ingestão. Então, como pode-se ver o Café tem enormes efeitos benéficos sobre o combate a esta doença mortal, todos devem consumir uma xícara de café para se manter saudável.

Café reduz o risco de perda de memória: Café melhora a memória. Mostrou-se que prevenir a demência e doença de Alzheimer em pessoas idosas. Isso ajuda a bloquear os efeitos de um neurotransmissor chamado adenosina. O bloqueio dos efeitos inibidores de adenosina ajuda a aumentar a eficiência do neuronal no cérebro e que libertam neurotransmissores como a dopamina e norepinefrina. Ela ajuda na melhorar o humor e alivia o stress. Doença de Parkinson também foi provada que podem ser reduzida pela sua ingestão.

Benefícios do café em protege o fígado: O consumo de café ajuda na melhor eficiência do fígado. Isso reduz o risco de colangite esclerosante primária, que pode levar a cirrose do fígado e insuficiência hepática, em última análise. Ele também reduz a ocorrência de carcinoma hepatocelular, que é uma forma de câncer de fígado.